Dia da Independência - Depoimento Cristiano Alves - "Minha faculdade é minha primeira casa"

No dia 7 de setembro, o Brasil mais uma vez comemora o aniversário de sua independência, o dia em que se tornou autônomo e assumiu sua liberdade enquanto nação. A conquista da própria autonomia é um dos sonhos, metas mais motivadores de qualquer ser humano. E nesse processo, poucas alavancas são tão significantes quanto ou tem o mesmo peso do investimento no conhecimento e na Educação.
 
A trajetória do Cristiano Alves (aluno à direita, com camisa cinza), estudante de Ciências Contábeis da Faci | Wyden é um exemplo inspirador de tudo isso. Nascido em Breves, na região do Marajó, interior do Pará, ele iniciou lá os estudos em Nível Superior, mas por querer uma instituição com mais suporte e infraestrutura, mudou-se para a capital, Belém. Aprovado pelo Financiamento Estudantil (Fies) e posteriormente pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), trocou de faculdade já no 4o semestre.
 
Foram seis meses entre a mudança e o primeiro emprego. "Tudo mudou, nem se compara. A Faci me proporciona todos os meios possíveis, melhor grade, suporte psicológico. Tenho um carinho imensurável pelos que compõem a Coordenadoria de Apoio e Suporte ao Aluno (Casa), que acompanham o nosso desenvolvimento acadêmico, e pelos professores, que se empenham demais", comenta o estudante, que agora está a apenas uma disciplina de pegar o diploma.
 
São tantas atividades extra-classe que Cristiano perde a conta. Programa de Preparação para o Mercado de Trabalho, desenvolvimento de habilidades, curso de oratória, vários tipos de aperfeiçoamento. Hoje ele atua no setor de pessoal de uma empresa privada, e em breve vai se dedicar a algum concurso para área de auditoria, ou na Fazenda Estadual ou na Receita Federal.
 
"O estágio já permitiu que eu conseguisse um pequeno kitnet. Com o salário do primeiro emprego veio a chance de pagar um lugar melhor. A cada aperfeiçoamento, ia mudando de vida. Hoje tenho uma filha de 5 meses, esposa, e condição que me permite viver com elas", orgulha-se.
 
Se Cristiano se doou ao máximo para extrair todas as possibilidades de sua experiência na graduação, ele garante que a recíproca é verdadeira em relação a Faci. "Minha faculdade é minha primeira casa. Quando une essa força de se doar pelo aluno não tem o que pague. Nunca tenho como retornar o que a Auriana Rodrigues, por exemplo, do Casa, fez e faz por mim. Minha professora, Tereza Cristina, que dava aula em uma disciplina de Psicologia durante a faculdade, será minha paraninfa. Mas por mim, seriam as duas!", diverte-se ele. "É imensurável o que a faculdade fez por mim", reconhece ele.

 

Relacionadas