ProPaz realiza ação de prevenção da Saúde no Terminal Hidroviário

O público que passou pelo Terminal Hidroviário de Belém na manhã desta sexta-feira, 22, pôde contar com atendimentos de medição de pressão arterial, distribuição de preservativos e até sessões de relaxamento e massoterapia, além de orientações diversas sobre Saúde. A ação "Pausa para a Saúde", realizada pelo ProPaz em parceria com a faculdade Faci | Wyden, que disponibilizou oito alunos e professores dos cursos de Enfermagem e Fisioterapia, resultou em mais de 130 atendimentos antes mesmo do meio-dia.

De acordo com a presidente da Fundação, Ray Tavares, a atividade realizada no Terminal, que conta com uma unidade fixa do ProPaz, inaugura uma nova fase de atuação da entidade com foco na aproximação com a população. A escolha do local tem a ver com o período do Carnaval, que acaba por aumentar o fluxo de pessoas em trânsito, seja chegando à capital ou indo rumo aos interiores.

"Achamos interessante fazer uma ação preventiva, e a Faci | Wyden nos ofereceu essa parceria para que pudéssemos alcançar esse público. A Fundação existe para isso, para atender todos os tipos de situação de vulnerabilidade, e nós queremos que a população nos reconheça como um ponto de apoio", explicou a gestora, adiantando que a parceria com a instituição de ensino deverá render outras ações também em outros locais da cidade.

 

A presidente do ProPaz adiantou que essa foi somente a primeira ação em conjunto com a faculdade. "Já nos colocaram à disposição cursos para mulheres, e até um espaço dentro da Faci para implementar um ponto fixo de atendimento e com viabilização na prática jurídica. Foi um ganho de parceria muito grande", reconheceu.

Coordenadora dos cursos de Saúde da faculdade, Andréa Leal destacou a importância de atender uma demanda que, por vezes, não sabe muito bem onde procurar ajuda. "A maioria das pessoas que atendemos veio de algum interior e quase todos com pressão alta. Além da medição, já fizemos o encaminhamento, orientamos a buscar uma unidade de saúde, explicamos os riscos de não buscar um tratamento adequado", relatou. A professora adianta que as próximas ações vão contar com mais opções de atendimento, como medição de índice glicêmico, de massa corporal (IMC) e risco cardio-circulatório.

A comerciante Rosilene Costa, que trabalha em um restaurante dentro do Terminal, foi espontaneamente à equipe e saiu satisfeita após saber que sua pressão arterial estava normal. "É importante deixar mais à vista esse tipo de atendimento, passam muitos idosos por aqui, às vezes vindo para Belém por conta de algum tratamento de saúde. Já vi mais de uma vez um outro passar mal, então esse tipo de atenção é muito válido", elogiou.

 

Alunos do 3° semestre de Fisioterapia, Sidney Ferreira, de 18 anos e Raíssa Neves, de 27, tiveram contato direto com os atendidos durante a ação. "É muito importante esse momento na nossa formação, porque nossa profissão não é só saber fazer ou trabalhar. A gente está lidando com vidas. Essa oportunidade que a Faci nos dá de ter esse contato desde cedo é fundamental", afirmou o estudante. Já a aluna reconhece que a maioria dos atendidos realmente precisa de orientação. "As pessoas que atendemos chegaram aqui muitas sem saber que não estavam passando bem, e poder lidar com isso, fazer esse encaminhamento é um aprendizado enorme", constatou.