Alunos da Facimp são destaque em estudos sobre o ômega 3

A procura por Nutracêuticos (Nutriente + Farmacêutico), que são compostos bioativos em alimentos com papel importante na saúde, cresce anualmente no mundo, como mostra o relatório de “Mercado de Ingredientes Nutracêuticos por Tipo – Previsão Global 2023”, divulgado pela MarketsandMarkets, apontando que sozinho o mercado de nutracêuticos, poderá, atingir US$49,02 bilhões até 2023.

Dentro dessa temática, uma pesquisa realizada pelos acadêmicos dos cursos de Nutrição e Farmácia da faculdade Facimp Wyden em Imperatriz buscou compreender as motivações que fazem a população procurar os nutracêuticos e a faixa etária que mais consome esse tipo de componente, focando no Ômega 3.

A escolha do Ômega 3 foi motivada por pesquisas que apontam a funcionalidade desse componente no auxílio do tratamento de várias doenças, como por exemplo o Alzheimer, segundo estudos e publicações da área da medicina na plataforma PubMed.

Passando essa etapa inicial da motivação, os alunos seguiram seus estudos realizando uma pesquisa exploratória bibliográfica para fundamentação do trabalho junto a aplicação de formulários para os clientes de uma farmácia de manipulação na cidade, acompanhando as compras desses componentes durante uma semana, e os resultados mostram que 56 clientes compraram esse nutracêutico no período, sendo que apenas 9 compraram mediante prescrição médica, e os demais 47 compraram sem a indicação de um médico ou nutricionista, concluindo-se que 84% dos consumidores do Ômega 3 compraram o componente por motivação própria e acreditando individualmente na sua eficácia, mesmo sem a recomendação profissional.

Outro dado importante foi sobre a faixa etária dos consumidores, mostrando que 45% das compras são realizadas por pessoas que tem 50 anos ou mais, reforçando a teoria que a população está cada vez mais preocupada na prevenção de doenças que acometem os idosos e os nutracêuticos tem um papel importante nesse auxílio.

“Comecei a usar sem prescrição, pela necessidade. Uso há 2 anos e as melhoras que pude notar foram na circulação, fortalecimento da coluna e na memória também”, comentou, Cleyverton Márcio, que tem 50 anos e faz o consumo do Ômega 3, explicando seus motivos na procura pelo nutracêutico.

A professora Camila Trigueiro, que liderou os acadêmicos nesse estudo, deu detalhes sobre a pesquisa e ressaltou que um profissional da área da saúde é indispensável no acompanhamento no consumo desses componentes. “A pesquisa teve a importância de entendermos mais sobre as funcionalidades de um nutracêutico, que ainda são pouco comentadas. A intenção do estudo foi, mais do que gerar o trabalho acadêmico, informar à população por meio desse trabalho o quanto o Ômega 3 é funcional, mas sempre sugerindo que as pessoas façam o uso acompanhado de orientação profissional do médico ou nutricionista”.

O estudo foi realizado pela professora Camila Trigueiro, com o auxílio na análise estatística de um engenheiro de produção convidado, William Batista, e os alunos, Hildoberto Junior, Jaynne Dantas, Ariane Oliveira e Elias Alejandro dos cursos de Nutrição e Farmácia da Facimp Wyden. A pesquisa será publicada no livro da Atena Editora “Farmácia e Promoção da Saúde” que terá versão online disponível no site da editora para consulta e download.

 

Fonte: omaranhese.com

 

Relacionadas