Empregabilidade: direcione seu currículo para o sucesso

Empregabilidade: direcione seu currículo para o sucesso

Um currículo pode ser construído com muitas ou poucas informações: depende da trajetória acadêmica e profissional do candidato. Pode-se dizer que não é a quantidade de dados que influencia na hora de uma seleção, mas, sim, o que eles dizem é que vai fazer a diferença: você inclui habilidades direcionadas para um tipo de vaga ou busca atingir o que chegar primeiro?

Ramon Barbosa, designer de carreira DeVry Brasil, aborda um pouco dos obstáculos e dos benefícios de optar por uma ou outra forma de construir seu currículo. Acompanhe:

Gosto muito de ver filmes e de acompanhar séries, principalmente os de ação e ficção científica, mas os de guerra são os meus favoritos.  Não só pela emoção em si, mas também por uma outra parte que passa muito despercebido e me faz refletir e comparar com os impactos na vida moderna. A partir daí, começo a perceber o mundo corporativo como um “um campo de batalha”.

Recentemente, ouvi um paradoxo sobre profissionais bastante reflexivo, o qual gostei e curti muito. Durante uma palestra, o convidado iniciou perguntando se somos sniper ou uma metralhadora?

Vamos entender a pergunta considerando como exemplo o currículo:

Sniper: é um atirador que usa rifles de alta precisão, demorando bastante tempo para armar e mirar. Porém, quando ele dá o tiro, é certeiro; é o famoso atirador de elite. O paralelo que faço é sobre o currículo sniper, aquele que é feito estrategicamente para o processo seletivo proposto; as informações e requisitos são montados para a vaga específica de um determinado segmento; nele, não há dados desnecessários.

Metralhadora: é uma arma que dá tiros de forma muito rápida, porém não consegue mirar com tanta precisão. Aqui, o paralelo é o currículo enviado para diversas vagas diferentes, aquele famoso “atirar para todos os lados”, cujo objetivo não tem nada a ver com a vaga em aberto; é um currículo padrão, com todas as informações profissionais, servindo, então, para todos os processos seletivos.

Sobre essas duas estratégias quero dizer que uma não é necessariamente boa e a outra é ruim. Aqui, o que precisamos entender são os riscos relacionados à cada uma dessas abordagens e, a partir daí, decidir qual vamos escolher.

Optando por metralhadora, disparando diversos tiros, seu currículo tem chances, estaticamente falando, de atingir alvos maiores; porém, do outro lado, a sua chance por tiro fica muito menor, pois não houve preparo, ou seja, a cada dez envios de currículo para processos seletivos, um pode ser aproveitado – ou nenhum. Já o sniper aumenta bastante as suas chances no único tiro, porém as suas chances, considerando o nível global, são menores, já que se candidatou por um número bem menor de vaga.

E, por fim, utilizando um pouco dos ensinos dos filmes, quero falar para você não sair por aí “atirando para todos os lados”: prepare-se! Uma bala na direção certa pode acabar com uma guerra, um currículo bem preparado pode ser o início de uma carreira de sucesso, não gaste munição!

Ramon Barbosa
Designer de Carreira
DeVry | Área 1 e Faculdade DeVry | Ruy Barbosa

Relacionadas

Autoconhecimento: um caminho para o sucesso profissional
Empregabilidade Wyden