Oficinas no Dia Mundial da Conscientização do Autismo

No dia 2 de Abril é celebrado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo e durante todo o mês ocorrem ações educativas e de sensibilizações das pessoas ao redor do planeta. A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) sinaliza que, atualmente, a cada 160 crianças, uma tem o diagnóstico positivo para autismo. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem 38,5 milhões de crianças de 0 a 13 anos; ao aplicar o índice da Opas, dessas, cerca de 241 mil seriam autistas. A estimativa, contudo, é que o número seja ainda maior. Estudiosos acreditam que esse número pode chegar a 2 milhões de brasileiros. 

Tendo em vista a relevância da data, o curso de Psicologia Unifanor Wyden promoveu o evento “Nada sobre nós sem nós”, no campus Dunas, no dia 2 de Abril, com o objetivo de problematizar os estigmas e preconceitos construídos acerca das representações sociais de pessoas autistas ao longo da vida. Os convidados para o evento foram Lucas Sampaio Maia, coordenador de sala na Casa da Esperança; Ana Beatriz Duarte Alves de Souza, ativista pela neurodiversidade, integrante da Abraça (Associação Brasileira para Ação por Direitos da Pessoa Autista) e Blue Pinto Peixoto, 16 anos, estudante do ensino médio, com a organização das Professoras Yuska Garcia e Ticiana Santiago.

O evento iniciou com uma Mesa-redonda; em seguida as jovens Blue Peixoto e Beatriz Souza realizaram oficinas artísticas. Blue ensinou técnicas de pintura e Beatriz trabalhou dicas sobre a escrita. Enquanto essas ações ocorriam, a Profa Olívia do Vale era entrevistada na Rádio O Povo CBN sobre as implicações do autismo.

Depoimentos:

Momentos como o da Oficina de Pintura nos permitem ampliar o olhar para as diversas formas de expressão, nos convidando a incluir, desestigmatizar e valorizar o "ser diferente"Otávia Sousa Alves, aluna do curso de Psicologia Unifanor Wyden.

Blue, nos trouxe com sua espontaneidade e sorriso na voz, suas dificuldades de inserção escolar e o o uso da arte como forma de expressão e resistência. Beatriz, nos tirou da nossa zona de conforto, mostrou a realidade como ela é, nos confrontando com as suas crenças de quem sabe o que fala. Lucas, com sua sabedoria e experiência, nos trouxe como foi sua experiência de ter sido diagnosticado na idade adulta e o seu conforto por entender todas as suas dificuldades ao longo da vida. Posso dizer que enquanto pessoa, psicóloga e professora que o evento me modificou, me tocou e mobilizou muitas reflexões que nenhum livro ou palestra de especialistas antes tinha feito.  Obrigada, Blue, Beatriz e Lucas. O lugar de fala é de vocês! Nada sobre vocês sem vocês!Profa. Yuska Garcia, docente do curso de Psicologia Unifanor Wyden.